Especial Glauber: O Assunto é Cinema – terceira sessão exibe O leão de sete cabeças

O original do filme O leão de sete cabeças, primeira produção de Glauber Rocha fora do Brasil, rodada durante o período de exílio imposto pela ditadura militar, esteve 3o anos sob posse da Cineteca Nazionale di Roma. Em 2009 o original foi repatriado e, por meio de uma parceria entre Tempo Glauber, Cinemateca Brasileira e ABCV e incentivo da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, foi restaurado no fim de 2010 com o objetivo de disseminar a obra do cineasta.

A Cinemateca Catarinense recebeu como doação da Associacão Baiana de Cinema e Vídeo (ABCV) a cópia restaurada do filme e o exibe nessa terça-feira, 20.09, 19h, no Cine Pitangueira. É a primeira vez que a cópia restaurada é exibida em Florianópolis – oportunidade ímpar de assistir o filme de Glauber em alta definição.

A exibição faz parte da mostra O Assunto é Cinema que exibe longas de Glauber Rocha durante o mês de setembro como homenagem aos 30 anos de sua morte.

O FILME

O  longa de 1971 tem perfeita integração com a evolução estética glauberiana, embasada na linguagem visual e cênica de uma espécie de “pan-terceiromundismo” com personagens arquétipos, todos com algum tipo de poder.
De um lado, os pilares do imperialismo – invasores europeus e norte-americanos, a Igreja e seu eterno cortejo ao poder, a elite local. Do outro, os revolucionários locais, contraditórios em suas lutas e indecisos entre a centralização do movimento e a manutenção do sentimento tribal, em busca de um objetivo em comum: a liberdade perante o colonialismo estrangeiro. Trata-se de uma teoria sobre a possibilidade de um cinema político, feito na África justamente porque o cineasta acreditava ser o lugar que possuía os mesmos problemas do Brasil. Ele parece dizer que nenhuma explicação histórica, sociológica, marxista ou capitalista, pode dar conta da complexidade e tragédia da experiência da pobreza. Complementa esse pensamento declarando sua aversão à leitura sociológica da miséria feita pela esquerda, visto no manifesto Estetyka do Sonho, escrito em duas versões(1966 e 1971), e que bebe nas fontes dos seus filmes realizados nesse período. Neste texto ele relata sua impotência e perplexidade perante as ditaduras militares, a fragilidade de intelectuais, artistas e militantes em combatê-las, além da acomodação popular que resulta nessa tragédia. Acredita que para superá-la é preciso seguir pelo caminho dos sonhos do cinema, provocando distúrbios nos códigos (sociais, políticos, estéticos, de comportamento), algo que já vinha sendo explorado em sua obra. Para alguns autores, Leão de Sete Cabeças pode ser visto como o elo perdido entre Terra em Transe e A Idade da Terra, a chave do enigma que liga a primeira parte da carreira de Glauber (os anos 60) com a segunda (de 1970 a 1980).

PROGRAMAÇÃO 20 de SET

15H:

Ilha Rá-Tim-Bum – O Martelo de Vulcano (Eliana Fonseca)
|2009|Ficção|82’
Gigante, Rouxinol, Majestade, Raio e Micróbio, são cinco jovens vivendo em uma ilha distante as voltas com o poderoso vilão Nefasto. Como se nao bastasse as maldades do dia a dia, Nefasto quer agora apoderar-se do mitológico Martelo de Vulcano e, dessa forma, conquistar um poder inimaginável. Para tentar impedir mais essa maldade, a turma recorre a ajuda da boa feiticeira Hipácia, da sábia aranha Nhã-Nhã e do atrapalhado lagarto Solek. Fruto do talentoso celeiro de grandes e premiadas séries da Tv Cultura, Ilha Rá-Tim-Bum – O Martelo de Vulcano é diversão com qualidade para crianças de todas as idades.

O leão de sete cabeças (Glauber Rocha)
|1971|Ficção|100’
É uma história geral do colonialismo euro-americano na África, uma epopéia africana, preocupada em pensar do ponto de vista do homem do Terceiro Mundo, por oposição aos filmes comerciais que tratam de safaris ao tipo de concepção dos brancos em relação àquele continente.

O Cineclube Pitangueira é uma realização da Cinemateca Catarinense e do Fundo Municipal de Cinema com o apoio da Prefeitura Municipal de Florianópolis e da Fundação Franklin Cascaes.

O quê: longa infantil (15H) e Especial Glauber Rocha – O assunto é Cinema (19H) no Cine Pitangueira
Quando: terça-feira, 20 de setembro
Onde: Casa das Máquinas do Casarão da Lagoa. Praça Bento Silvério, Lagoa da Conceição, Florianópolis
Quanto: gratuito

Anúncios
Sem categoria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s